05 setembro, 2010

Solidão ...


Pronto, agora eu vou... não sei mais esperar o meu Sol chegar.
Ele se foi e sei que não volta, eu pedi, pedi para que fosse.
Sua luz já não estava tão clara e sua penumbra me confundia, mesmo quando tinha a lua...
Ele estava (antes de tudo) entre as coisas importantes, com todas as cores...
Perdeu o tom, ficou sem som, e perdeu de novo para o mar...
Não reconhece a estrela do mar, nem o rio que foi em outro tempo...
A nossa musica ainda toca, escuto a canção do seu olhar junto com o perfume que ficou.
Esqueceu de avisar que estava chovendo e assim desmanchou todo nosso castelo...
Esqueceu de levar também a saudade que deixou.
Mexeu com meu cotidiano, e agora percebo a diferença quando falo sem respostas...
Sem som, só a porta fechada e a vela acesa. Ainda tem o seu perfume aqui, em meus versos...
Olho no fundo daquela canção, e não tem o mesmo tom e nem acredito mais naquele destino.
Não posso entender sozinha, insistir em nós, sem espaço, sem atalhos...
Só 'voce'... Só 'eu'... sozinho ficamos 'nós' sem nos reconhecermos
Sei o que ficou quando se foi, deixou tudo no mesmo lugar até mesmo o seu olhar.
A canção ainda ouço, mas sei que ainda não ficou pronto aquele verso que ficou no porta retrato. Nem terminou de ler aquele livro que guarda a rosa que me deu...
Não importa onde eu esteja, não quero leva-lo, mas quando chego, não importa onde eu vá, ele já está....
Ah! as flores, não sinalizam mais o caminho, está escuro lá no fundo...
Tem névoa em pensamentos e naquele sorriso antes inocente...
Tenho que recuar para poder continuar a te sonhar...
Preciso ficar só pra conseguir entender as coisas que não deveria ter ouvido, sem nexo, sem sentido existir, mas ele insiste em acreditar só para fazer existir...
Não quero nada de mal, nem quero ficar aqui inerte, sentindo a vida cansada.
Quero prosseguir! Nem mesmo sei pra onde vai aquela nuvem de sonho.

Mas seguirei ate que ela seja de novo rio, depois no ar, e de novo no ceu.
E quando cair em chuva vou tomar e molhar a minha alma dançante, tingida da cor do som, de sonho... Assim, posso existir um pouco mais.
Pronto! Agora é 'preciso' ir . Levo meus sonhos junto com minha solidão devolvida... mas deixo esse dia esquecido, esse dia sem Sol. Deixo também na realidade, meu nome e endereço.

Dú♥Karmona®