30 janeiro, 2010

A Dor do Outro ...



" ... Ela chegara como quem não quer nada, 
Com sua vida sentida em seus braços.
Abraçava com ansiedade o tudo que sentiu, 
Que transcrevera com a alma, vivida!  
Não estava preocupada com a critica, 
Ela já sabia que viria...  
Estava preocupada com o descaso cego pelo egoísmo...  
Sentou ofegante, suspirou como se fosse o ultimo suspiro.  
Apontou apenas um, um sentido de vida que estava ali.  
E para seu espanto, ouviu sua vida em voz alta, até o fim.  
A voz, nem embargada, nem sentida... 
Não conseguira vestir sua emoção  
Um pouco antes do ultimo verso, veio a critica interrogativa...  
Depois do ultimo verso, o silêncio...  
Depois ouviu o que o outro fora buscar,  
Ouviu repetidamente, até o fim...  
Enquanto ouvia, olhava para o porta retrato,  
Aquele que carrega um herói, e de novo para a vida do outro,  
Olhava sem poder esquecer o porta retrato 
E sem deixar de ouvir o outro...  
E até o fim ouviu, ouviu a dor do outro...  
E a sua, a sua vida, ficou sentida de lado...  
O porta retrato agora mudo, ficou no mesmo lugar...  
E ela, a sua vida, como quem quer tudo, 
Já havia passado..." 
Dú♥Karmona®