06 setembro, 2015

Liberdade!?

Liberdade!?

Em versos livres
Em versos simples
Presos na garganta
Nesses dias tristes
A poesia declina
Sem transformar o que diz
Em alimento para
Os que têm fome...
Fome de liberdade
Fome de pátria
Então saia, tão frágil...
Deste mundo de pessoas
Deste mundo tão forte e cruel
Saia pela janela da alma
Ou pela porta do céu!


DúKarmona®

Confesso ...

Confesso... 

“ Confesso que guardei aqui
Alguns erros,
Acertos imperfeitos
Vontades absurdas de querer
Achar entre os perdidos
Pois só isso poderei levar
No bolso que faz Tum Tum...”

Karmona®